Programa Pré-Operatório Rápido já acelerou mais de 55 mil procedimentos médicos

Principal demanda são as cirurgias gerais, para as quais o programa assegura rapidez nos exames para que os pacientes possam se submeter ao procedimento
26/02/2021 16h30
Por Dayane Baía (SECOM)

O Programa Pré-Operatório Rápido, lançado pelo Governo do Estado em outubro de 2020, contabiliza 2.213 usuários que realizaram um total de 55.808 procedimentos, entre consultas com cardiologistas e anestesiologistas, exames de laboratório, eletrocardiograma, ecocardiograma, raio-x e espirometria. A avaliação do risco cirúrgico ocorre no mesmo dia, dando agilidade para cirurgias eletivas na rede hospitalar estadual.

As principais demandas são as cirurgias gerais, como a de pedra na vesícula. Há pelo menos dois anos, Ana Lúcia Soares dos Santos, 60 anos, sofre com os sintomas da colelitíase, que provoca cálculos na vesícula biliar. “Já tá com mais de dois anos que estou lutando. Fui para Capanema, Bragança. Quando me dá aquelas crises, eu vou parar no hospital, eu posso morrer”, conta a pescadora, que mora em Bragança, no nordeste do Pará.

O caso requer uma cirurgia e, após ser encaminhada para o Hospital Jean Bittar, ela pode ser incluída no Programa Pré-Operatório Rápido. “Agora estou mais otimista. Fiz exames ambulatoriais, eletrocardiograma e raio-X. “Pra mim foi uma facilidade fazer todos no mesmo dia e o atendimento foi bom também”, avaliou Ana Lúcia.

A paciente foi atendida na Policlínica Metropolitana, um importante equipamento, de acordo com o secretário de Estado de Saúde Pública (Sespa), Rômulo Rodovalho. “O paciente que tem a necessidade de uma cirurgia, realiza no mesmo dia todos os exames laboratoriais e o risco cirúrgico, passando pelo cardiologista e o anestesista para que ele possa posteriormente realizar a sua cirurgia em outra unidade que ele já tem o seu agendamento. Então, ela é de suma importância nessa estratégia porque ela agiliza esse atendimento, já colocando o paciente em condições de ser operado na unidade agendada”, explica o titular da Sespa.

AGILIDADE

A estratégia é diminuir a fila de espera das cirurgias eletivas, sem impactar na demanda de urgência das unidades. “Nós estamos conseguindo manter os atendimentos eletivos de cirurgias, porque nós não tivemos ainda a necessidade de mudança de perfil dos nossos equipamentos, dos nossos hospitais e estamos mantendo a estrutura do Hangar, como a referência de Covid, e isso é estratégico para que as outras unidades hospitalares continuem atendendo dentro do perfil contratualizado”, acrescentou o secretário.

Na Policlínica, o programa é prioritário para dar agilidade ao atendimento. “O nosso pré-operatório foi estruturado para ocorrer rapidamente, como somos um Centro de Diagnóstico, conseguimos mobilizar a equipe e mantê-la todos os dias, pelo volume. O que um hospital levaria 15 dias conseguimos, por vezes, realizar em 12 horas, por isso entramos como reforço para os hospitais utilizarem o serviço para agilizar o lado do paciente, para que chegue mais rapidamente à condição de ser operado e aproveite melhor os leitos e horários de bloco cirúrgicos”, informou o diretor técnico, Luiz Fausto da Silva.

Para marcar os exames, o paciente não precisa ir à unidade. O atendimento é feito pelo WhatsApp, pelo telefone (91) 98521-5110, sendo que o agendamento é feito de segunda a sexta-feira, de 7h às 21h. É necessária a solicitação médica para o risco cirúrgico e o formulário de AIH, além do RG, CPF, Cartão SUS e Comprovante atualizado de residência.

SERVIÇO:

Programa “Pré-operatório rápido”

Local: Policlínica Metropolitana – na avenida Doutor Freitas, no bairro do Marco, em Belém.

Horário de atendimento: 6h30 às 19h.

Telefone: 98521-5110 (atendimento via WhatsApp).

Fonte: Agência Pará www.agenciapara.com.br/noticia/25443