Triagem Pós-Covid atende quase quatro mil em dois meses

26/01/2021 18h33
Por Carol Menezes (SECOM)

Infectada com o novo coronavírus em abril do ano passado, a dona de casa Matilde de Assis chegou a ser atendida no Hospital Regional Abelardo Santos (HRAS), mas não foi internada. Até hoje, ela sente o que as sequelas da infecção: falta de ar aos menores esforços, dor nas articulações e outros sintomas. A partir de hoje, ela faz parte do Programa Triagem Pós-Covid, criado pelo Governo do Estado em novembro e ofertado na Policlínica Metropolitana, com capacidade de assistir até dois mil pacientes por mês em busca de plena recuperação da doença. Até o dia 22 de janeiro, foram quase quatro mil atendidos.

"Fiquei sabendo pelas mídias e vim aqui [na Poli Metropolitana]. Tarefas simples, como varrer a casa, me deixam bastante cansada, minha memória falha bastante desde que adoeci e tenho uma dor de cabeça que não passa. Hoje fiz exames de sangue, eletrocardiograma e logo mais vou para a avaliação médica. A expectativa é de melhorar, de conseguir um tratamento para isso", contou Matilde, entre um atendimento e outro.

A administradora Dammaris Costa tem sintomas parecidos, e conta ter conhecido o Programa na própria Policlínica, onde ela e a família foram atendidas também em abril, quando contraíram a Covid-19. "Eu precisei de 40 dias para me recuperar, e acho que só não fui internada porque a demanda era muito grande e por eu ser mais nova, priorizaram minhas tias, que têm mais idade", lembra. "Eu canto e pratico atividades físicas, e preciso muito amenizar essa falta de fôlego, ter mais força nos pulmões", justifica a paciente, que também entrou na Triagem hoje.

Segundo o diretor técnico da Policlínica Metropolitana, Luiz Fausto Silva, foram realizados exatos 3.914 atendimentos desde a criação do serviço, em 24 de novembro. A alta procura em tão pouco tempo surpreendeu o corpo médico. "Esperávamos que a adesão viria com o tempo, mas foi quase que automático. São 100 vagas por dia, considerando que o mês tem cerca de 20 dias úteis. O paciente pode realizar até 16 tipos de exames laboratoriais, além de radiografia do tórax e eletrocardiograma, para então ser avaliado clinicamente", detalha.

As queixas mais comuns são relacionadas a falta de ar, dores nas costas e perda do olfato, mas há casos mais específicos, envolvendo até sequelas de Acidente Vascular Cerebral (AVC) entre jovens. "Dependendo dos resultados dos exames, são feitas as consultas com os especialistas, e são mais de 20 especialidades - cardio, otorrino, dentre outras", confirma.

Com um novo aumento na contaminação em curso no Estado, Fausto reafirma a necessidade de cuidados como uso de máscaras, higienização e distanciamento social. "Entendemos que as pessoas relaxaram, afinal, já faz quase um ano que enfrentamos essa pandemia. Porém, a mutação do vírus criou uma cepa que se desenvolve mais rápido que a primeira - se antes demoravam oito dias para os sintomas aparecerem, agora demoram só três. A tendência é de uma curva muito alta de pacientes com sintomas respiratórios. Se a gente conseguir controlar isso agora, passaremos por esse momento com menos sofrimento", alerta o gestor.

Serviço:

Não é necessário encaminhamento e o interessado não precisa comparecer na Policlínica presencialmente para fazer o agendamento. Basta entrar em contato com a Central de Atendimento pelo WhatsApp (91) 98521-5110.

No dia marcado, o paciente precisa comparecer à Policlínica com 40 minutos de antecedência, com seus documentos pessoais em mãos: RG, CPF, comprovante de residência com CEP e cartão do SUS.

As consultas serão oferecidas de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h, na Policlínica Metropolitana, localizada na avenida Dr. Freitas, s/n, esquina com a avenida Almirante Barroso, no bairro do Marco.

Ao chegar à Policlínica, o paciente é acolhido, identificado e encaminhado para exames laboratoriais, radiografia e eletrocardiograma. Com os resultados dos exames, o paciente passa por uma avaliação médica, que faz os encaminhamentos específicos necessários. O atendimento pediátrico conta ainda com consultas com psicólogos, nutricionistas e fonoaudiólogos.

Fonte: Agência Pará www.agenciapara.com.br/noticia/24649/